Das coisa que não falei

Há de se dizer e atribuir palavras
por mim nunca proclamadas
Levantarão a voz em cantos e hinos
venerando os atos que nunca consumei
Não tendo dúvidas de minha redenção
- exclamando tantos ais -
cuidarão que seus filhos não me esqueçam.

E, ante ao tédio da vida
se jogarão aos meus pés
chorando lágrimas aflitas.
Das coisas que não falei
farão seu jugo e juízo.

Quando a sombra
vier pousar em seus ombros
e a noite sublime sussurrar
aos seus ouvidos
haverá apenas um espasmo, um gemido.
E o lençol as lhes cobrir
será tão leve quanto pluma,
Não restando mais nada das coisas que não falei.

11 de agosto de 2013 - Flávio O. Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas