Alguma lembrança










Acordo na madrugada em meio ao silêncio, o frio e a solidão e, me vejo ser transportado a outros tempos, outros lençóis. Ali, sob a luz do abajur, contemplava tua silhueta sob a camisola. Tua pele macia, teus seios a se avolumarem sob a seda. Teu sorriso enquanto dorme e, ao abrir os olhinhos sussurrando "que foi?", já sabendo o que viria a ser. Lascivamente, meus dedos percorrem seu corpo, enquanto minha boca se encontra levemente com teu pescoço e percorre o caminho até tua boca. Num beijo demorado sugamos a essência do outro, mudamos de alma, transbordamo-nos de nós. Nossa sombra na parede procura imitar-nos, embora nunca compreendam a delícia que é estarmos sós, sobre nossos lençóis. Minha língua mapeia cada pedacinho de ti, teus montes, relevos, reentrâncias. Descubro os mistérios que eriçam teus pêlos, que enrijecem teus seios e te umedecem inteira. Em desafio, tu me tocas. Desliza em meu corpo, percorre com teu véu o meu peito. Debruça sobre mim o teu dorso, roçando os mamilos em minhas coxas; suavemente me lambe, me arranha, me morde, me chupa. Retribuo com as pontas dos dedos a deslizar em tuas costas, a encontrar em tua nuca o teu declínio. Suborno-te com gestos e palavras para que me dê o que lhe dou. E, tu, sem relutar me concedes estar entre tuas coxas a lamber-lhe o sexo, a acariciar tua prenda. Ambos invertidos contemplando de olhos fechados o deleite alheio. Sussurros, gemidos. Tapas, mordidas. Em instantes estamos unidos, corpos que se encaixam no frenesi dos suspiros. De repente, desvairada, você grita: "me fode, vai... mete gostoso, meu garanhão... ahh... ahh... ui... uuuuu". E, eu, sem temer represália, mordisco teus mamilos e falo em teu ouvido: "isso minha putinha, rebola gostoso... ahh... ahh... uhhhh". Enlaçados assim, digladiamos até que nosso corpo tombe. Na pele o cheiro, o suor, o óleo a sair dos poros. E, nós, na certeza de amar-nos, já imaginávamos o próximo round, ensaiando as mesmas carícias de antes, recompondo os ânimos, nos tocando, descobrindo-nos a cada instante. Teus olhos mergulhados nos meus espelhos, enquanto eu me via espelhado nos teus. Sorriamos e principiávamos o embate.

Não sei por que a noite me roubara o sono. Talvez apenas, para trazer de volta estas lembranças. Talvez uma tortura involuntária. Talvez. Sei que não há nada que se compare, por mais que eu busque, não há faceirice como a sua ao me amar. Não encontro outro corpo, outros toques; mesmo com os desejos a flor da pele a enrijecer meus prazeres em busca da explosão. Os teus ficaram na alma, impregnados que, em outros braços, faço um eterno retorno ao paraíso que era nosso; e, acordo na manhã seguinte numa ressaca de sexo, precisando lavar-me para limpar o que macula a alma.

Comentários

  1. Anônimo1:22 PM

    Perfeita!!!! Simone Wolf

    ResponderExcluir
  2. Belas lembraças...hã!! E um belo texto pra elas...Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. muito bom texto mano.

    grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso texto!
    Beijosss...Sidiane

    ResponderExcluir

Postar um comentário

SEJAM BEM-VINDOS!
Caríssimos amigos leitores, escritores, poetas e seguidores:

é com grande entusiasmo que lhes recebo em meu espaço. Façam dele um lugar de interação e descobertas, quiçá, aprendizado e trocas de experiências. Todos os comentários e/ou sugestões são bem-vindos. Boa leitura a todos! Apreciem, se refestelem e comentem.

Abraços.
Flávio O. Ferreira

Postagens mais visitadas