Não há o que dizer!

Não vou dizer os sentimentos de meu coração para não lhe deixar em desespero. Nem vou revelar os segredos de minha alma para não escandalizar o mundo. Estão todos a me observar; sabem o que tenho nas mãos, mas não conhecem meu peito. Sabem a história que carrego, mas não conhecem o mínimo de minha luta interior. Ah! Não quero falar de mim; nem de minhas mãos macias como seda, nem de meu trabalho complicado, nem das verdades que sempre escondo. Ah! Não vou falar das dores do mundo, nem de nenhum coração aflito; não vou dizer mitos nem revelar heróis. Porque já não há o que dizer. Poderia gloriar-me de Ter um belo Dom; poderia cantar meus encantos pela natureza que nos traz surpresas dia a dia, mas eu não vou fazer nada disso. Só preciso de um tempo; um tempo comigo mesmo em silêncio num quarto vazio, como há muito tempo não fico. Ouvir o ruído da chuva. Sentir este silêncio que devora minha alma, o homem e o Amor que há em mim. Ah! Há sim... Algo que poderia revelar. Há um nome de mulher, há um sorriso, mas todo mundo já sabe; eu, porém, prefiro o que meu coração me guarda. Poderia escolher uma cor que representasse meus sonhos; poderia fazer tanta coisa e de várias formas, no entanto, o que me resta é esta solidão inútil que devora meus dias. Eu e meu pensamento impetuoso; eu e minha saudade devoradora. Eu e estas palavras que se eternizam nestas pautas. E o peito explode; e os lábios tremem em um choro convulsivo de criança. E esta criança que insiste em devorar este menino-homem, este homem-menino que vive a procurar seu caminho. Ah! Há um tempo... Um tempo com escassez de sonhos; ou vários sonhos com escassez de tempo para realizá-los. Vou... Vou embora para não chorar, pois ninguém admite minhas lágrimas! Porque o mundo é moldado à mercê de convenções sociais e valores que escravizam e que jamais quis conhecer. Agora, sou mais um contrariando os sonhos, fazendo tudo para quem pisa em minha cabeça. Mas vou sem dor. Vou sem mágoa. Só quero água para poder matar minha sede, e a certeza de um coração em quem confiar!

Comentários

Postar um comentário

SEJAM BEM-VINDOS!
Caríssimos amigos leitores, escritores, poetas e seguidores:

é com grande entusiasmo que lhes recebo em meu espaço. Façam dele um lugar de interação e descobertas, quiçá, aprendizado e trocas de experiências. Todos os comentários e/ou sugestões são bem-vindos. Boa leitura a todos! Apreciem, se refestelem e comentem.

Abraços.
Flávio O. Ferreira

Postagens mais visitadas