Minha Terra!


À Majestosa cidade de minha Infância

Minha terra é feita de silêncio e pedras.
Escondida entre as montanhas do Leste de Minas,
paisagem feita de florestas de Eucalipto
e lembranças de um teleférico
estampado na Bandeira...

Minha terra é assim
pequenina... Num Vale onde corre
o Rio Piracicaba
Acompanhado pela Estrada de Ferro
Vitória a Minas.

Minha terra é feita de silêncio e pedras,
“pedras no meio do caminho destas retinas fatigadas”,
Pedras que são silêncio e saudade...

E, o cheiro que aqui tanto me comove
e do vento que toca destas bandas.
A música que me embala
é das serestas que lá ouvi.

Tudo que tenho e faço
é herança do tempo que lá vivi.
Tempo de laranjeiras,
tempo de sentar na praça
a trocar um dedo de prosa
com os amigos.

Tempo de flertar,
atracar-se encostado aos muros,
lambendo as estrelas do Céu da boca.

Hoje, minha terra é uma quimera,
silenciosa como pedra
e a saudade se revela em imagens
nunca esquecidas!

Araxá – 30 de janeiro de 2007
Flávio Otávio Ferreira

Comentários

  1. Eu, que moro aqui nas Gerais, sei o quanto é bom tudo isso ;)


    Abração, meu amigo!

    ResponderExcluir
  2. E aí, Flávio! Gostei do canto pela tua terra; um poema bucólico, evocativo, que busca reconstruir uma história e um lugar que talvez não exista senão na sua poesia, um lugar que você construiu, através de seu olhar de poeta, de suas experiências com as coisas e as pessoas! Muito bom! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. cássio amaral8:36 PM

    Muito lírico e musical, tinha que musicar isso brou.
    Muito bom!

    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Venho aqui pra dar uma espiadela no seu espaço. Tá tudo muito bom! Uma boa sorte e sucesso! Apareça n'o apanhador, tem a sonoridade no cinema (6ª parte já) e tem poemas tb. Diga se gostou nos 'comments'. Não sei se gosta de cinema, mas vale dar uma espiada.

    Um abraço...

    ResponderExcluir
  5. Das Minas tenho visto surgir grandes poetas e queridos amigos.
    Lindo poema Flávio, o mesmo digo de teus textos anteriores.
    Carinhos meus

    ResponderExcluir
  6. seu escrito fez um carinho leve e bom... sempre que se fala em pedras lembro de Coralina... e é bom!
    um abraço

    ResponderExcluir
  7. Sayô5:32 PM

    Vim te fazer uma visita, encontrei seu endereço no 'sou o que sinto'.
    Lindo o poema !
    Muito lindo !´
    O reconhecimento e o amor pela sua terra natal me fez lembrar MANOEL DE BARROS nascido em Mato Grosso e um dos meus poetas preferidos.
    "O homem estava parado mil anos nesse lugar sem orelhas" (Manoel de Barros)
    Um abraço.
    Sayô

    ResponderExcluir
  8. Olá, muito legal seu espaço, gostei, parabens. Estarei indicando nas minhas páginas.
    Abração
    www.luizalbertomachado.com.br

    ResponderExcluir
  9. Hei, grande poesia, hein!?

    ResponderExcluir
  10. Anônimo1:09 PM

    É isso aí Poeta.
    Bonita melodia à terra natal e a infância.
    Parabéns pelo belo trabalho

    Florzinha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

SEJAM BEM-VINDOS!
Caríssimos amigos leitores, escritores, poetas e seguidores:

é com grande entusiasmo que lhes recebo em meu espaço. Façam dele um lugar de interação e descobertas, quiçá, aprendizado e trocas de experiências. Todos os comentários e/ou sugestões são bem-vindos. Boa leitura a todos! Apreciem, se refestelem e comentem.

Abraços.
Flávio O. Ferreira

Postagens mais visitadas